Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘um que tenha’

Conheci Eumir Deodato na Virada Cultural deste ano. Pode até ser vergonhoso dizer que não conhecia este músico dos bons, mas é verdade. Bom, antes tarde do que nunca, não é? Eu adorei sua música e ouço sempre que estou lendo, pesquisando ou escrevendo, pois vira trilha sonora do pensamento.

Capa do álbum Deodato: Skycrapers (1973)

Nasceu em 21 de junho de 1942, no Rio de Janeiro.
Começou tocando acordeão, depois disso, iniciou seus estudos em piano e arranjo e regência de orquestra.
Estritamente autodidata, ele mergulhou nos livros teóricos.
Deodato se tornou um do mais ativos arranjadores e pianistas do Rio, gravando com Milton Nascimento, Marcos Valle, Elis Regina e Antônio Carlos Jobim.
Em 1968, Deodato se mudou para New York e começou a trabalhar com Luiz Bonfá, e também fazendo trabalhos de estúdio para Astrud Gilberto, Walter Wanderley, Antônio Carlos Jobim e Marcos Valle.
Além de outras coisas (que podem ser conhecidas ao ler a biografia completa deste músico), nos anos 90, Deodato trabalhou com a cantora islandesa Björk, e fez arranjos para três álbuns dela: Post(1995), Telegram(1996) e Homogenic(1997). Arranjou e produziu em 1996 um álbum para Gal Costa (1996) assim como fez arranjos para Titãs e Carlinhos Brown
 

A Funarte possui um programa chamado Estúdio F, muito bom por sinal, tem como tema grandes nomes da música brasileira.  Lançado em novembro de 2006, a atração é uma das raras oportunidades do público conhecer de forma mais detalhada a vida e a obra de grandes nomes da música brasileira. O roteiro do programa é assinado pelo jornalista Cláudio Felicio. A apresentação fica a cargo do produtor Paulo César Soares.

E em 13 de Abril deste ano, a obra de Eumir Deodato  foi tema deste programa. O programa acompanha a carreira de Deodato desde sua aproximação com o pessoal da Bossa Nova no final dos anos 50 até sua consagração como um dos nomes mais importantes da música brasileira no cenário internacional. Não faltam curiosidades sobre o artista, entre elas a história de como ele partiu para América e de como a sua versão jazz pop para “Assim Falou Zaratustra” (tema de Richard Strauss usado por Stanley Kubrick no filme “001 – Uma Odisséia no Espaço”) tornou-se um grande sucesso.

Confira através de áudio, os blocos 1, 2 e 3 do programa, acessando aqui

Na Revista E do Sesc há um depoimento de Eumir Deodato sobre a relação com a Bossa Nova e o trabalho de arranjador. Vale a pena conferir o texto na íntegra.

Não recebo muitos convites para produzir no Brasil. Tenho teorias [sobre por que isso acontece]. Muita gente acha que sou muito caro. Pelo contrário, às vezes faço coisas porque quero fazer. Todo mundo tem medo de me chamar. Mas quando me chama dá certo, não é uma questão de preço. (Eumir Deodato)

E pra baixar suas músicas, aqui no site Um Que Tenha há 17 álbuns……..

 

Tá em Choque?

GABI

Anúncios

Read Full Post »

 

O centenário de nascimento do sambista Nelson Cavaquinho é comemorado nesta sexta-feira .

Nos tempos mais prósperos Nelson estourou com suas composições – principalmente nas vozes de grandes intérpretes, como Elis Regina, Beth Carvalho e Clara Nunes.

O compositor, violonista e cantor Carlinhos Vergueiro é o responsável por uma da série de justas homenagens que serão prestadas aos 100 anos de Nelson, com o disco “Carlinhos Vergueiro Interpreta Nelson Cavaquinho”, que deve ser lançado esta semana. Em 1984, ele produziu o álbum “Flores em Vida”, reunindo diversos intérpretes para cantarem os temas do compositor de Mangueira, pelo selo Eldorado. No ano seguinte, participou do documentário “Nelson de Copo e Alma”, dirigido pelo cineasta Ruy Solberg.

No disco novo, Carlinhos reuniu gente que teve ligação com Nelson, convidando, por exemplo, o amigo Chico Buarque para cantar “Nome Sagrado”. Cristina Buarque, que também havia produzido o LP de 1984, interpreta “Beija-Flor”. Além de Wilson das Neves, com “Folhas Secas”, e Marcelinho Moreira, com “Pranto de Poeta”. O disco vai para os palcos em novembro, com shows em Curitiba e em São Paulo (dia 22, no Tom Jazz).

 

Este é um dos comentários que estavam logo após o vídeo no Youtube

Que isso?!!!.. que violão é esse que mais se parece com uma orquestra de cordas e batucada, chega doer na alma, ouvir nelson cavaquinho aperta o coração. Quanta ingratidão dessa terra para com nossos heróis, pra meu consolo: O mal / há de queimar essa semente/ o amor, será eterno novamente. A música de Nelson cavaquinho é de uma complexidade que beira a simplicidade, caracteristica principal e despretenciosa, que reside na humildade dos grandes gênios…R I P mestre Nelson Cavaquinho

Shows Tributos

 

Os tributos ao centenário de Nelson não se resumem a este trabalho. Dia 25/11, no auditório do Instituto Moreira Salles, no Rio, haveria uma mesa-redonda com a presença do jornalista e escritor Sérgio Cabral, de José Novaes, autor do livro “Nelson Cavaquinho: Luto e Melancolia na MPB”, e do jornalista João Pimentel, com mediação da presidente do Museu da Imagem e do Som, do Rio, Rosa Araújo. O mesmo MIS recebe hoje (27/10) , às 20 horas, show com Moacyr Luz e Gabriel Cavalcante em homenagem ao sambista.

Em São Paulo, os tributos ao compositor estão marcados para o mês de Novembro. Do dia 3 ao 6 de novembro, o Centro Cultural São Paulo terá o espetáculo “Uma Flor para Nelson”, com apresentações de nomes como Benito de Paula e Marcos Sacramento (3), Ângela Ro Rô e Cida Moreira (4), Zezé Motta e Filipe Catto (5) e Teresa Cristina, Graça Braga e Verônica Ferriani (6).

Ainda em novembro, de 25 a 27, o Sesc Pompeia recebe o show “Feliz Daquele Que Sabe Sofrer”, lembrando o centenário de Nelson e outro gigante do samba, Assis Valente. No palco, interpretações de Ná Ozzetti, Arrigo Barnabé e Renato Braz.

Se quiser baixar, no site Um Que Tenha tem 13 álbuns de Nelson Cavaquinho. Este site é bem bom. Tem muita coisa boa. Vale muito a pena conferir.

 Tá em Choque?

GABI!

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: